Quem sou eu

Minha foto
E aí meus transantes?! Me chamo Vanessa Costa, mas conhecida como Vanne Costa. Estudante de sexologia, apaixonada pelo mundo do sexo. Exibicionista, e amo escrever contos eróticos. Preta, gorda, mulher feminista e empoderada sim!

quinta-feira, 19 de março de 2020

Vamos nos divertir um pouquinho?!

E aí meus transantes?!
Em tempos de trevas, precisamos nos divertir um pouquinho dentro da nossa querida quarentena. Mesmo que seja sozinhas ( os ) não é verdade? 
Então titia tá liberando pra vocês um delicioso conto erótico! Espero que gostem e curtam da maneira certa! 

ALERTA DE CONTO ERÓTICO!

UMA EXPERIÊNCIA INESQUECÍVEL. 

  Nos conhecemos a bastante tempo, ela morava próximo da minha casa.  Com o tempo passei a criar um certo interesse e notar a mulher deslumbrante que ela estava se tornando. Sabe aquela mulher de para o transito?! Era ela! Bunda empinada, pernas grossas e um decote de dar agua na boca. Eu casado, ela noiva, porém não vi problema nisso, eu queria ter a essência daquela mulher perto de mim de qualquer  jeito.
  Um belo dia, respirei fundo, criei coragem e com muito bom humor a convidei para bater um papo na praça perto de casa mesmo. Conversamos sobre muitas coisas, rimos bastante. Ela estava linda e o seu perfume era inesquecível. Sem perceber segurei lentamente pela cintura dela e a beijei, pude sentir aquele corpo quente colado no meu, enquanto a beijava podia sentir seu coração acelerado e sua respiração ofegante. Ela parou um pouco tímida disse que gostaria de ir pra casa, sem tentar argumentar, disse que a levaria. Subimos na moto e fomos embora. Confesso que fui pra casa pensando naquela mulher e o quanto eu queria tê-la pra mim nem que fosse por algumas horas.
  O tempo foi passando e não nos vimos mais. Até que um belo dia resolvi visitar uma amiga e ela estava lá, linda, exibindo suas pernas grossas, seu sorriso encantador a mostra e o seu perfume doce dominava o ar. Cada vez que ela cruzava e descruzava as pernas meu coração acelerava. E sem perder muito tempo a levei para o banheiro e a beijava loucamente segurando seus cabelos em direção da nuca. As mãos dela acariciavam o meu peitoral e sem perceber ela me arrancava loucos suspiros quando beijava o meu pescoço. E de uma forma muito involuntária minha mão carinhosamente invadia a sua calcinha pude sentir aquela buceta linda e quente completamente molhada para mim. Foi quando ela começou a acariciar o meu pau, não pensei duas vezes coloquei a calcinha dela de lado e comecei a chupa-lá, que buceta deliciosa, todo aquele mel na minha boca me enlouquecia, ela se contorcia e gemia de tanto prazer.  Mas para o nosso azar o noivo dela chegou, paramos na hora, ela saiu do banheiro e foi ao encontro dele. Eu me recompus e fui para casa.
  No dia seguinte não pensei duas vezes, fui atrás daquela mulher, fui determinado. Naquela época eu não era muito bom com as palavras, então de um jeito só meu, eu disse:
- Cara, você me deixa taradão, preciso ter você, nem que seja só por uma noite!
E para a minha felicidade ela subiu na garupa da moto. Entramos no motel, ela não queria penetração, de certa forma acho que foi o jeito que ela encontrou de se sentir menos culpada por estar ali. O pedido dela, não foi problema pra mim.  
  Deitamos na cama, nos beijamos muito, enquanto eu a beijava acariciava os seios dela, e ela acariciava levemente a cabeça do meu pau. Sem eu perceber ela pegou a minha mão e colocou na buceta dela. Ela estava completamente entregue, muito molhada, comecei a chupa-lá . Pedi para que ela ficasse de quatro e eu a fudia com a minha língua enquanto ela gemia alto. Foi quando ela gozou e enquanto ela gozava eu me lambuzava naquele mel que era só meu naquele momento. Um pouco mole e ofegante ela ajoelhou e caiu de boca no meu pau, enquanto ela chupava gostoso acariciava o meu saco. Olhava-me dentro dos olhos, e enquanto me chupava ela soltava uns leves gemidos que me deixava louco, então ela olhou pra mim e em uma curta pausa disse:
- Goza na minha boca, me da leite quente!
E novamente engoliu o meu pau como se fosse o seu doce preferido, gozei muito e ela fez questão de engolir até a ultima  gota. Que mulher maravilhosa, tomamos um banho e ela pediu para ir embora, fomos. Foi um dia maravilhoso que se repetiu depois.
  Naquele dia aprendi a dar valor as aventuras da vida, aprendi o que realmente era uma química diferente, foi pele, loucura, toque. Foi marcante! Foi inesquecível!

Com carinho e safadeza,
Vanne Costa.

2 comentários: